mais fragmentos e dez réis de esperança

by catarina clemente

Durante a última semana, recolhi uma quantidade considerável de fragmentos para a colecção (um deles foi um presente).

Pelo meio, encontrei  uma moeda de X réis, de 1885 o que,  por si só, me parece motivo suficiente para recordar este “dez réis de esperança”, de António Gedeão:

Se não fosse esta certeza
que não sei de onde me vem,
não comia, não dormia,
nem falava com ninguém.
Acocorava-me a um canto,
no mais escuro que houvesse,
punha os joelhos à boca
e viesse o que viesse.
Não fossem os olhos grandes
do ingénuo adolescente,
a chuva das penas brancas
a cair impertinente,
aquele incógnito rosto,
pintado em tons de aguarela,
que sonha no frio encosto
da vidraça da janela,
não fosse a imensa piedade
dos homens que não cresceram,
que ouviram, viram, ouviram,
viram, e não perceberam,
essas máscaras selectas,
antologia do espanto,
flores sem caule, flutuando
no pranto do desencanto,
se não fosse a fome e a sede
dessa humanidade exangue,
roía as unhas e os dedos
até os fazer em sangue.

Advertisements