chá

interiors. ideas. emotions. life.

Month: January, 2011

os ramos e os enxertos da árvore que nenhuma botânica menciona, a genealógica

“Um dia teria de chegar em que contaria estas coisas. Nada disto tem importância a não ser para mim. Um avô berbere, um outro avô posto na roda (filho oculto de uma duquesa, quem sabe?), uma avó maravilhosamente bela, uns pais graves e formosos, uma flor num retrato – que mais genealogia me importa? a que melhor árvore poderei encostar-me?”

– José Saramago, “A Bagagem do Viajante”

♥♥♥

“What are little girls made of? Sugar and spice and all things nice, that is what little girls are made of.”

Rima inglesa inspirada em Catarina de Bragança, uma mulher de estatura pequena, a quem o povo reconhecia uma enorme bondade e paciência, e que tinha trazido consigo um dote de açúcar e especiarias que valiam ouro.

–  “Catarina de Bragança, A coragem de uma infanta portuguesa que se tornou rainha de Inglaterra”, de Isabel Stilwell.

Fiquei fascinada pela história desta rainha desde que vi a interpretação da Shirley Henderson, na série da BBC “Charles II The Power & The Passion”.

Hoje começo o romance da Isabel Stilwell que me encantou logo na primeira página.

mais fragmentos

Estes foram, quase todos, oferecidos. Obrigada.

i like

“i like your body. i like what it does, i like its hows. i like to feel the spine of your body and its  bones and the trembling -firm-smoothness and which i will again and again and again kiss” – e. e. cummings

o primeiro passeio e o primeiro banho

Com 3 meses de vida e as vacinas devidamente acauteladas a criatura foi autorizada, a partir deste fim-de-semana, a passeios e a banhos. É todo um mundo de coisas novas a descobrir… :))

Aproveitámos a saída para mais uma “caça ao fragmento”, que nos fez perder a noção do tempo e acabar fechados dentro do parque. Tivémos de saltar o muro, mas trouxémos os bolsos cheios.

A experiência do banho despertou-lhe primeiro espanto, depois medo e, como não podia deixar de ser, terminou em paródia.

inspiration: grey tones

Apetece-me usar e abusar

de todos os tons de cinzento.

 

2011

Em 2010 aprendi, por experiência, que não devo (nem quero) viver em função da opinião de terceiros. Que há momentos em que posso decidir que os sentimentos se devem sobrepor às convenções. Que é leviano condenar alguém sem lhe conhecer a vida em detalhe (e geralmente não se conhece). Que a amizade é a forma mais sublime de amar e ser amada. E que é na adversidade que se distinguem os amigos. Que há quem não partilhe o meu sangue e, ainda assim, seja família. Que há respostas que só o tempo fornece. Que a pessoa que me agride, pode ser a única que me compreende. Que de todos os valores, o que mais estimo é a paz.

Mesmo que por tentativa e erro, espero que 2011 me dê, pelo menos, outras tantas oportunidades de aprender.

A todos os que por aqui passam, desejo um Feliz 2011!