chá

interiors. ideas. emotions. life.

Month: December, 2012

por aqui

scrabblescrabble25.12.201225.12.2012

Advertisements

get the look

e hoje estamos no the etsy blog.
thank you christine!
our home at the etsy blog

collection update

a coleção continua a crescer. a minha tia guarda-me todos os que encontra na horta e eu, sempre que posso, continuo a procurá-los.
há uns dias, com 10 senhas à nossa frente na fila da segurança social, demos um pequeno passeio e conseguimos encontrar mais alguns. fragmentos

embrulhar sem andar aos papéis

material: papel cavalinho A3, aguarelas, cotonetes para escrever;
o que escrever – para identificar a pessoa que vai receber o presente: o nome, uma expressão matemática cujo resultado seja a idade, várias palavras que comecem com a mesma letra do nome, palavras relacionadas com a profissão/área de estudos, as letras do nome desorganizadas… são tantas as possibilidades… é só deixar trabalhar a imaginação.presentespapel de embrulhopapel de embrulho

don’t miss the point

“living the slow life is not about finding methods to save time, it is about discovering new ways to appreciate and enjoy time”

–  jorg&olif the slow life company
life

sete meses

gosta de música e de banhos de chuveiro.
tem 2 dentes.
não dá sinais de querer gatinhar.
é atenta e curiosa.
é teimosa e impaciente.
ri muito.
7 meses e 1 semana7 meses e 1 semana

mais uma fatiota feita pela avó

antes: uma saia velha. depois: um vestido novo e um par de sapatinhoshomemade dress #2

a árvore

então este ano decidimos que o tema seria a reutilização. para a árvore, inspirámo-nos nos modelos da ingrid jansen (gosto tanto mas taaaanto de tudo o que ela faz!!), fomos à praia em busca de madeira trazida pelo mar e, munidos de pregos e martelo, pusemos mãos à obra. para os ornamentos, reutilizámos alguns do ano passado, mas também cortadores de bolachas, fitas e um carrinho de linhas saídos da caixa da costura, uma casinha de monopólio e fragmentos cerâmicos da coleção, incluindo os passarinhos encontrados em vilarinho das furnas e o azulejo que um amigo me trouxe quando foi esvaziar a casa do avô.

o mais curioso foi que o mar decidiu dar-nos várias tábuas em tons de azul. e eu que cometi o erro de decorar a minha primeira casa TODA em tons de azul – na altura era bastante adepta dos esquemas de cores – apanhei-lhe um tal enjoo que, durante anos não admiti que absolutamente nada desta cor me entrasse pela porta dentro. mas o mar deu e eu acedi. fiz as pazes com o azul. não vamos voltar a ser os melhores amigos mas assim, sem exageros, estamos bem.

de resto, para mim o natal continua a ser isto: estar em família – o que não é exclusivo desta época do ano –  a nossa própria tradição de fazer e decorar juntos a árvore, a receita de perú recheado da minha sogra (que essa sim, só se faz uma vez por ano) e, não sendo possível livrar-nos da troca de presentes, espero que um dia consigamos instaurar a tradição de não trocar presentes comprados mas apenas coisas feitas pelas próprias mãos. e não, nem pela minha filha, aliás, sobretudo pela minha filha, não vou começar agora a fingir que é o pai natal que traz os presentes ou que o natal tem alguma coisa a ver com jesus.

[gostava que as fotografias tivessem ficado melhor, mas o facto é que se eu já tenho pouca paciência para ajustar tripés e isos e efes em circunstâncias normais então com uma piolha de sete meses à perna é zerinho]the tree the treethe treethe tree