chá

interiors. ideas. emotions. life.

Category: Ideas

três!

três!
três!
três!

olhos, nariz, boca

“ó mãe, desenha fómas, depois a cámu faz os olhos, o nariz e a boca”
olhos, nariz, bocaolhos, nariz, bocaolhos, nariz, boca

divisão silábica

eu: como é que tu dizes futebol?

ela: é assim: xtu-bó-li

não estou preparada

“há muito que tinha começado a despedir-me de ti. devagar, à medida que a doença te roubava  a vida e a personalidade, eu ia-te dizendo adeus. quando ela te subjugou por completo, quando de ti só restava um corpo em sofrimento, desejei muitas vezes que ela te deixasse partir e sossegar. mas agora que esse alívio chegou, as memórias de quem foste avivaram-se de novo e tomei consciência do vazio que deixas.”

67 dias.
há 67 dias despedi-me assim da minha avó.
não estou preparada para te perder também.
ainda preciso de te dizer o quanto significas para mim.  P1000196

diálogos da carmo #1

eu, para um amigo: – A Carmo foi ver “os Azeitonas” e gostou muito!

o amigo, para a Carmo: – Mas há alguma coisa de que tu não gostes?

a Carmo, para o amigo: – Do caroço…

DIY: placa para o quarto das crianças

(inspirado nas placas da Ingrid Jansen)

-1 tábua velha (do lixo)
-letras para decalcar (da loja chinesa)

Escolher uma frase e… mãos à obra.
DIYDIY

embrulhar sem andar aos papéis

material: papel cavalinho A3, aguarelas, cotonetes para escrever;
o que escrever – para identificar a pessoa que vai receber o presente: o nome, uma expressão matemática cujo resultado seja a idade, várias palavras que comecem com a mesma letra do nome, palavras relacionadas com a profissão/área de estudos, as letras do nome desorganizadas… são tantas as possibilidades… é só deixar trabalhar a imaginação.presentespapel de embrulhopapel de embrulho

para a constipação

tem andado uma constipação cá em casa a saltar de mão em mão, de que ainda só a carmo (até ver!) se safou. para ajudar os antigripais, a minha mãe preparou-me esta mistura de gengibre, alfazema, piri piri, perpétua roxa e alecrim. da primeira vez, fiz a infusão em água, juntei mel mas não apreciei o sabor. bebi uma chávena a contragosto. da segunda vez, experimentei usar leite. além do mel, juntei pau de canela e uma casquinha de limão. bebi sem esforço. até achei agradável. melhorei da rouquidão e sinto-me menos entupida. hoje vou fazer outra vez. se gostam de coisas picantes, recomendo. caso contrário, é esquecer.
chácháPicMonkey Csdfollage

a poupança, o cabelo e as socialites

calma que isto não se vai tornar um daqueles blogs de “dicas de poupança” onde logo depois de nos darem ideias para uns menus franciscanos poupadinhos, nos espetam com uma publicidade do sapato da moda. eu de poupanças não percebo mais do que aquilo a que sou obrigada, mas roubar da boquinha para meter no pé não me parece bem.

posto isto, e a quem interessar, aqui fica uma ideia de como passei a gastar menos dinheiro com o meu cabelo. não quer dizer que resulte com todos os cabelos, não quer dizer que eu ande exemplarmente penteada (que não ando) mas, ainda assim, a quem interessar:

1. pinto o cabelo em casa.
só pinto o cabelo porque tenho muitas brancas (provavelmente, é castigo dos muitos anos que fiz madeixas sem necessidade nenhuma). costumava usar produtos químicos, mas recentemente passei a usar henna. é um bocadinho mais chato de utilizar mas é muitíssimo mais saudável e barato.

2. corto o cabelo em casa.
para um corte comprido e escadeado básico como o meu, há montanhas de vídeos no youtube que explicam como fazer. é mesmo muito fácil e posso cortar só aquilo que quero (quando ia ao cabeleireiro, cortavam-me sempre uns bons centímetros além do combinado).

3. faço o brushing em casa.
quando quero usar o cabelo esticado, também faço eu. basta ter um bom secador e uma boa escova e alguma paciência. também é um rico exercício para os bíceps. no entanto faço isto cada vez menos, o que me leva ao próximo ponto.

3. raramente seco o cabelo com o secador.
desde que passei a cortar em casa faço um escadeado bastante mais pronunciado, que retira volume ao cabelo, e assim posso deixá-lo secar ao natural sem ficar com um cabeção. eu poupo na conta da eletricidade e as pontas secas agradecem.

isto tudo para dizer que – com exceção  do dia do casamento – há mais de 15 meses que não ponho os pés num salão.  são 15 meses sem conversa de cabeleireiro, 15 meses sem ler a caras, 15 meses sem saber nadinha da lili, da cinha e da bibá! 15, carago, 15!!!

o nosso pequeno alfabeto: D

d é para… docinho